Em 2009 os Simpósios sobre manejo da Pastagem estão comemorando 36 anos de existência. No decorrer destes anos, desde 3 de dezembro de 1973 até esta data, vinte e quatro simpósios foram realizados e, através deles, foram apresentados e discutidos 298 temas, para mais de 8.500 participantes, por 167 comferencistas, selecionados entre renomados técnicos, professores e pesquisadores de instituições e universidades nacionais e estrangeiras ligadas ao setor.

Vale a pena relembrar hoje que os Simpósios surgiram em decorrência da necessidade sentida por todos quantos naquela época se dedicavam seriamente aos estudos de pastagens, para o entendimento e a compreensão de alguns problemas que se antepunham aos olhos dos técnicos da pesquisa e da extensão e, particularmente, dos pecuaristas, provocados pelo exagero de alguns extremados defensores de novos sistemas de manejo rotacionado, aos quais se atribulam efeitos verdadeiramente sensacionais.

Ao falar no encerramento do 3º Simpósio, em 1976, o Engenheiro Agrônomo Adibe Jorge Roston, então Diretor do Programa de Zootecnia da CATI, recordando os referidos problemas, assim se expressava: "Estava no apogeu a difusão de um método de manejo com uma gama variada de infomações contraditórias, uma apresentação apaixonada de resultados espetaculares, um clima emocional impregnando os auditórios, onde alguns donos da verdade garantiam a redenção da pecuária desde que algumas leis não fossem burladas. O pior para a CATI era não haver nenhuma definição, nenhuma diretriz oficial, no que tange à utilização de pastagens, nenhum experimento concreto em que se apoiar, para dizer sim ou não à avalanche de inquirições de insuspeitados progressistas. Enquanto nos 20 anos anteriores, não se conseguia convencer 1% dos pecuaristas a reduzir a área de pastagem de 200 alqueires para 50, a CATI se via, de 1970 a 73, em palpos de aranha para reduzir o ímpeto retalhador de áreas, que insistia em subdividir os postos em 1 ou 2 hectares para entrar na moda."

"Combater a emoção sem estar de posse de tranquilizante adequado era tarefa impossível. A CATI precisava urgentertente de auxílio e, sob essa circunstância premente, teve a felicidade de recorrer à Luiz de Queiroz, que não só simbolizava a casa materna, mas era dirigida por espíritos lúcidos, principalmente na área que interessava diretamente: a Zootecnia."

Os primeiros promotores das reuniões foram, pois, a CATI e a Esalq, através de seu Departamento de Zootecnia, e mais a Associaçao dos Engenheiros Agrônomos do Estado de São Paulo, Aeasp. Posteriormrente, a partir de 1980, as promoções tiveram sempre a chancela da Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz, Fealq.

Além de contribuir para o esclarecimento de inúmeras questões técnicas suscitadas na época pela divulgação apressada de conceitos sem o necessário embasamento experimental e cientifico, é preciso reconhecer que os Simpósios alcançaram um mérito, qual seja o de sistematizar dados e informações pertinentes ao manejo da pastagem, ordenando e uniformizando a terminologia usual nos estudos e criando assim condições para o desenvolvimento de uma significativa pesquisa sobre o assunto em nosso meio.

Pode-se ainda dizer que os simpósios sobre manejo da pastagem iniciados em Piracicaba em 1973 vieram identificar uma nova abordagem de apresentação de temas técnicos e de condução das reuniões, numa linha de trabalho que foi sempre mantida ao longo de 36 anos, propiciando assim que essa mesrna sistemática fosse seguida e aproveitada em outros eventos similares em várias regiões do país. Cabe reconhecer que a criteriosa escolha de pessoal altamente qualificado para apresentar as palestras nos simpósios contribuiu em muito para garantir o sucesso da metodologia empregada.

Após as duas primeiras reuniões, em 1973 e 1975, passou-se a adotar, sempre que possível, a norma de auscultar o plenário sobre sua preferência quanto aos temas e os nomes de têcnicos para apresentá-los no simpósio seguinte. Com isso e sob o crivo final das comissões organizadoras, foi possível reunir em Piracicaba as vozes reconhecidamente mais autorizadas de vários Estados brasileiros para discutir assuntos polêmicos e controvertidos, segundo a óptica das observações conduzidas em âmbito regional e sob orientação e enfoque diversos.

Como seria de se esperar, São Paulo acabou naturalmente contribuindo com o maior número de conferencistas, dadas as maiores facilidades para o seu recrutamento. Várias instituições deste estado prestaram sua colaboração, cabendo aqui destacar o papel de liderança exercido pela Esalq, como principal promotora dos eventos, através de seu Departamento de Zootecnia. Mas, os simpósios contaram ainda com as contribuições não menos importantes de muitas outras instituições de ensino, pesquisa e extensão de, praticamente, quase todos os Estados brasileiros. Esta preocupação constante em diferenciar os assuntos e em prestigiar as pesquisas de interesse regional tem se revelado uma tônica na organização das reuniões e em muito contribuíram para sua divulgação.

Todos os simpósios foram realizados em Piracicaba e discutiram inicialmente grandes temas gerais que, pela sua importância atual, determinaram vários desdobramentos significativos no decorrer de 36 anos de eventos, originando novas palestras sob diferentes enfôques, buscando aprofundamento maior para atender a exigência de conhecimentos e informações sobre aspectos regionais de manejo ou ainda a respeito da qualidade de solos, de rrequerimentos nutricionais e adubação, de planejamento experimental, de níveis de produtividade, de pragas e doenças, de controle de plantas invasoras e tóxicas, de rotação de culturas e outros.

Os anais dos simpósios representam, sem dúvida, acervo técnico-científico de valor inestimável pelo que significam como obras de consulta obrigatória nos cursos de agronomia, veterinária e zootecnia, tanto em nível de graduação como de pós-graduação. Na impossibilidade de reeditar todos os anais publicados desde 1973, para atender os pedidos recebidos há vários anos, a Fealq aprovou e efetivou a impressão de um volume de leituras selecionadas, reunindo num livro, mediante escolha criteriosa, as palestras mais significativas dos siinpósios até então realizados, iniciativa esta coroada de pleno êxito, a se julgar pela receptividade alcançada entre os interessados.

Numa análise retrospectiva do conteúdo dos simpósios se comprova o gradual amadurecimento de seus temas, mediante inclusão cada vez mais fraquente nas apresentações de dados e observações colhidos em nosso meio pelos trabalhos de pesquisa, a princípio um tanto incipientes, porém, com o decorrer dos anos se tornando mais numerosos e consistentes, numa demonstração expressiva de vivência da investigação em andamento no setor. Assim os temas básicos das primeiras reuniões, fundamentados quase sempre na literatura estrangeira pertinente, evoluiram para assuntos aplicados de interesse regional e específico, discutidos com base em resultados experimentais em grande parte determinados pela procura de soluções para os problemas que limitam o pleno aproveitamento do potencial representado pelas pastagens em nossa economia.

Graças a esse esforço nos julgamos agora em condições de promover um novo simpósio, o 25º da série iniciada há mais de três décadas, agora debaixo de outro enfoque, apresentando, 12 palestras sobre intensificação de sistemas de produção animal em pasto. Estamos seguros de que os trabalhos ora apresentados virão enriquecer ainda mais os significativos resultados já obtidos pela experimentação com pastagens no país.

Piracicaba, maio de 2009.

OS EDITORES

 
home | simpósio realizados | sobre o simpósio | próximo simpósio | sugestões | contato